DestaqueNotíciasPolítica

Sem aumento salarial, fiscais da Iagro ameaçam paralisar atividades

Profissionais reclamam da demora nas negociações com o governo

Fiscais da  Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) ameaçam fazer greve geral no Estado para reivindicar aumento salarial e melhores condições de trabalho. O assunto foi debatido no último encontro que aconteceu no dia 26 de agosto deste ano. A próxima reunião ainda não está marcada.

Os profissionais reclamam da morosidade no diálogo e negociação com o Governo do Estado nas reivindicações da categoria. De acordo com o Sindicato dos Fiscais Estaduais Agropecuários do Estado de MS (Sifems), eles pedem igualdade salarial e de jornada de trabalho.

Na comparação de carreiras, a categoria afirma que trabalham por mais horas e recebem menos que outros servidores, como os da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), por exemplo.

Outra queixa é em relação a indenização de localidade e fronteira. Esse adicional já consta no Art. 50 da Lei Estadual nº 4.196/2012, que dispõe sobre a Carreira Fiscalização e Defesa Sanitária, mas ainda não foi regulamentado pelo governo do Estado.

“Existem municípios da fronteira que estão sem fiscais agropecuários por falta de incentivos. Há muita evasão de servidores das cidades fronteiriças. Muitos assumem o concurso, mas por causa da baixa remuneração e dos perigos da fronteira acabam deixando o cargo e assumindo outros concursos mais atrativos. A rotatividade de profissional nessas regiões é muito alta, portanto, é preciso que o governo invista em incentivo para manter o funcionário”, afirmou a presidente do Sifems, Kelcilene Azambuja.

O sindicato também denuncia o atraso no pagamento de diária estaduais que, em alguns casos, passa dos 60 dias. Os servidores do Iagro viajam e acabam pagando as despesas com dinheiro próprio. Por este motivo, a recomendação é que, a partir de agora, só viajem com o pagamento antecipado desta diária.

Paralisação geral pode ocorrer também por falta de condições de trabalho. De acordo com sindicato da categoria, falta combustível em algumas das 11 regionais para a realização de deslocamentos e trabalhos a campo. Também pela falta de equipamentos, os fiscais estaduais agropecuários já suspenderam o serviço de fiscalização de agrotóxicos em propriedades rurais, estabelecimentos comerciais e prestadores de serviço em Mato Grosso do Sul.

Todos esses assuntos foram discutidos em reunião no dia 26 de agosto com a presença da diretoria e representantes regionais do sindicato, que trouxeram as principais queixas dos servidores. Em breve, a entidade deve marcar uma assembleia geral com a categoria para debater o rumo dos trabalhos e a aprovação de uma possível paralisação geral.

É o fiscal estadual agropecuário do Iagro que garante o status sanitário animal e vegetal no Mato Grosso do Sul. Esse status que mantém as portas abertas para a exportação e o equilíbrio das finanças do Estado. Soja e carne são os produtos em destaques da balança comercial no MS. No primeiro semestre de 2017, houve aumento de 16,56% das vendas externas de soja em grão e 10,43% de carne bovina, em relação ao mesmo período no ano passado.

 

 

Correio

 

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar