DestaqueNotíciasVariedades

China: festival anual de carne de cachorro e gato é realizado em meio à pandemia

O festival de Yulin, na China, também chamado de “Lichia e Carne de Cachorro” em tradução livre, é um evento anual de 10 dias onde mais de 10.000 cães são comidos. Carne de gato, lichias e licores frescos também são disponibilizados no evento.

O festival nesta parte remota do sul da China provou ser muito controverso nos últimos anos, principalmente após a pandemia do novo coronavírus.

O evento é realizado em Yulin, uma cidade na província de Guangxi, na China, e acontece de 21 a 30 de junho, durante uma das semanas mais quentes do ano.

Como isso começou?

O primeiro festival de “carne de cachorro” ocorreu em 2009 para marcar o solstício de verão. O consumo de cães é tradicional na China e, de acordo com o folclore, comer carne durante os meses de verão traz sorte e boa saúde.

Alguns também acreditam que a carne de cachorro pode afastar doenças e aumentar o desempenho sexual dos homens.

O festival atraiu ampla cobertura negativa na China e internacionalmente. Ativistas relataram que os animais são abatidos desumanamente usando clubes em público e que as práticas de higiene no festival não estão de acordo com os regulamentos chineses.

Há também reclamações de que cães são trazidos para Yulin de toda a China em condições precárias, e os visitantes do festival relataram ter visto alguns animais com coleiras, indicando que podem ser animais de estimação roubados.

A Organização Mundial da Saúde já alertou que o comércio de cães espalha raiva e aumenta o risco de cólera.

Carne de cachorro na China

Comer cães não é ilegal na China. Cerca de 10 a 20 milhões deles são mortos para consumo humano a cada ano e, embora o festival seja novo, o costume pode ser rastreado por pelo menos 400 anos.

Mas atitudes estão mudando. Manter os cães como animais de estimação foi proibido durante a Revolução Cultural, mas a posse de cães se tornou popular entre a crescente classe média da China; agora existem 62 milhões registrados como animais de estimação.

Ativistas dos direitos dos animais, celebridades e cidadãos chineses mais jovens têm se manifestado cada vez mais nas mídias sociais contra esses festivais, se opondo ao consumo de carne de cachorro e outros, como gatos.

O governo municipal de Yulin disse repetidamente que não pode impedir o festival, pois alega que ele não existe como um evento oficial, mas uma pesquisa feita em 2017 revelou que em Yulin, quase três quartos das pessoas não comem carne de cachorro regularmente, apesar dos esforços dos comerciantes para promovê-la.

Uma pesquisa nacional feita em 2016 constatou que 64% dos cidadãos chineses queriam o encerramento do festival de Yulin e 69,5% nunca comeram carne de cachorro.

Sinal de mudanças

No mês passado, o governo da China chamou os cães de “companheiros” e sinalizou que uma proibição mais ampla do consumo de carne estava pela frente.

Peter Li, especialista em políticas da HSI na China, disse que o festival de Yulin era um “espetáculo sangrento [que] não reflete o humor ou os hábitos alimentares da maioria do povo chinês”.

Ele disse: “Agora que o governo chinês reconheceu oficialmente os cães como companheiros e não como animais, esperamos que a China tome medidas mais fortes para acelerar o fim do comércio de carne de cães e gatos, pelo qual milhões de animais continuam sofrendo todos os anos.”

“O anúncio apresenta às cidades da China a oportunidade perfeita para agir de acordo com as palavras do governo, protegendo cães e gatos dos ladrões do comércio de carne e matadouros”, completou.

O Ministério da Agricultura da China observou que a lista de animais da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação não inclui cães e disse que, internacionalmente, os cães não são tratados como animais.

Em abril, as cidades de Shenzhen e Zhuhai foram as primeiras na China a proibir oficialmente o consumo de carne de gato e cachorro.

Pandemia

O surto de coronavírus começou em Wuhan, na China, no final do ano passado. Acredita-se que o Covid-19 tenha se originado em morcegos-ferradura e passado aos seres humanos através de uma espécie intermediária.

Em resposta ao surto, a China proibiu temporariamente todo o comércio e consumo de animais selvagens e está considerando revisar a legislação para tornar a proibição permanente.

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar