terça-feira,
23/07/2024
Mais
    InícioDestaqueDois hospitais são investigados por problemas no tratamento de câncer

    Dois hospitais são investigados por problemas no tratamento de câncer

    Unidades da Capital terão de responder inquéritos abertos hoje

    O Ministério Público Estadual (MPE) abriu dois inquéritos para apurar a direção de dois hospitais de Campo Grande. Os problemas, em um dos casos já constatados por inspeção da Vigilância Sanitária, tem relação com o tratamento contra o câncer.

    Uma das investigações faz parte de apuração iniciada no ano passado depois que a Vigilância Sanitária Estadual encontrou irregularidades no Hospital de Câncer Alfredo Abrão. Na época, o foco da investigação era controle de infecção, problema já sanado pela diretoria da unidade.

    Agora, a promotoria Filomena Fluminhan, da 32ª Promotoria de Justiça de Saúde, abriu nova investigação para apurar irregularidades encontradas na Farmácia Hospitalar e na Unidade de Preparo das Terapias Antineoplásticas, a quimioterapia. Em razão do processo estar em sigilo, a reportagem não teve acesso ao relatório de inspeção da Vigilância Sanitária, mas segundo o MPE, são pelo menos 25 itens mencionados no documento que apontam irregularidades.

    Diretor do Hospital de Câncer, Carlos Coimbra disse ao Portal Correio do Estado que a notificação de abertura de inquérito chegou ontem (22) à diretoria e que, no entendimento do hospital, seria um erro do MP, já que respostas referentes a essa investigação já foram prestadas à promotora.

    Por outro lado, o Ministério Público informou à reportagem que a investigação aberta hoje é um desdobramento da iniciada e encerrada no ano passado, ou seja, o hospital terá de responder um novo inquérito.

    MAIS PROBLEMAS

    Outra investigação relacionada ao serviço público de quimioterapia tem o Hospital Regional da Capital como alvo. O inquérito comandado pelo promotor Gevair Ferreira Lima Júnior, da 49ª Promotoria de Justiça, investigará irregularidades administrativas supostamente praticadas pela administração do hospital “sobre a denominada Operação Sangue Frio”.

    A operação citada pelo promotor foi deflagrada em 2014 e apurou esquema de desvio de recursos públicos com desativação do setor de radioterapia do Hospital Regional e Hospital Universitário para favorecimento à pessoas relacionadas ao Hospital de Câncer Alfredo Abrão, através da Clínica Neorad.

    A reportagem tentou contato com a Secretaria Estadual de Saúde, que administra o HR, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria.

    Mais Lidas