DestaqueVariedades

Quando absurdo é cotidiano, a verdade está no Carnaval

O desfile trouxe críticas não apenas ao presidente, mas também ao naco fundamentalista cristão da sociedade

A Estação Primeira de Mangueira trouxe um dos mais contundentes carros alegóricos da história do Carnaval carioca, na noite deste domingo (23). Um Jesus Cristo negro e jovem, com cabelo platinado, crucificado e crivado de balas. Ao seu lado, um negro, um indígena, uma mulher e um representante da população LGBTQI. “A Verdade vos Fará Livres” foi o samba-enredo. A passagem do Novo Testamento, presente em João, capítulo 8, versículo 32, é a mesma citada – a torto e direito – por Jair Bolsonaro em sua campanha eleitoral de 2018. Contudo, ela rareou dos discursos presidenciais na mesma proporção que os nomes do faz-tudo da família, Fabrício Queiroz, e do miliciano recém-falecido, Adriano da Nóbrega, apareciam ao lado do de seu filho, o senador Flávio Bolsonaro, em denúncias e investigações.

A Estação Primeira de Mangueira trouxe um dos mais contundentes carros alegóricos da história do Carnaval carioca, na noite deste domingo (23). Um Jesus Cristo negro e jovem, com cabelo platinado, crucificado e crivado de balas. Ao seu lado, um negro, um indígena, uma mulher e um representante da população LGBTQI.

A Verdade vos Fará Livres” foi o samba-enredo. A passagem do Novo Testamento, presente em João, capítulo 8, versículo 32, é a mesma citada – a torto e direito – por Jair Bolsonaro em sua campanha eleitoral de 2018. Contudo, ela rareou dos discursos presidenciais na mesma proporção que os nomes do faz-tudo da família, Fabrício Queiroz, e do miliciano recém-falecido, Adriano da Nóbrega, apareciam ao lado do de seu filho, o senador Flávio Bolsonaro, em denúncias e investigações.

O desfile trouxe críticas não apenas ao presidente, mas também ao naco fundamentalista cristão da sociedade, que não deve ser, em hipótese alguma, confundido com a maioria dos evangélicos. Maioria que não espera um “messias de arma na mão”.

A Verdade é que Cristo morre, todos os dias, santos ou profanos, através do genocídio de jovens negros nas periferias das cidades. Mas também no assassinato de indígenas, camponeses e trabalhadores, no campo, e de mulheres e da população LGBTQI, em qualquer lugar. Para o conforto de muitos dos que se autointitulam “homens de bem”.

Caso nascesse nos dias de hoje, Jesus seria qualquer um dos representados no carro alegórico acima. E o mundo o mataria em seu nome.

Quando defendi isso neste espaço pela primeira vez, há sete anos, quase apanhei na rua (expressão que deixou de ser figurativa neste Brasil em que a intolerância saiu do armário e foi eleita) por pessoas que estão tão dentro de suas caixinhas que não conseguem perceber a beleza presente nas palavras fundadoras de sua própria fé. Interpretam-nas usando a raiva e o rancor como decodificador, sendo que o próprio Cristo disse que a chave para entende-las seria amor.

Considerando que Jesus foi transgressor em sua época, se ele voltasse à Terra seria tudo aquilo que é considerado inferior, marginal, blasfêmico ou de segunda classe. Ou você acha que ele viria coberto de ouro e moraria nos Jardins ou na Barra da Tijuca?

Se houver um Deus, ele ou ela não morrerá de vergonha por causa daqueles que tocam a vida da forma que os faz mais felizes. Mas por conta dos que lançam preces e cantam musiquinhas para louvar seu nome – para, logo depois, censurar, ofender, cuspir, bater, esfolar e matar também em sua honra.

Esse Deus ou Deusa deve pensar que falta amor no mundo, mas também falta interpretação de texto. Pois está escrito no Evangelho de João, capítulo 3, versículo 17: “Deus enviou o seu filho ao mundo não para condenar o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por meio dele”.

E como já disse aqui, se Jesus voltasse defendendo a mesma ideia central presente nas escrituras sagradas do cristianismo (e que, por serem tão simples, são descumpridas) e andando ao lado dos mesmos párias com os quais andou, seria humilhado, xingada, surrado, alfinetada e explodido. Ela seria chamada de mendiga e de sem-teto vagabundo, olhada como operária subversiva, alcunhado como agressor da família e dos bons costumes, violentada e estuprada, rechaçado na propaganda eleitoral obrigatória em rádio e TV, difamada nas redes sociais, censurado pela Justiça. Teria seu barraco queimado e toda sua vida transformada em cinzas em uma reintegração de posse. Seria finalizada como comunista, linchado num poste pela população em nome da fé e das tradições. Receberia socos e pontapés dos hoje autointitulados sacerdotes – uma parte dos supostos representantes dos interesses de Deus na Terra, que afirma lutar pelo direito de expressar suas crenças, quando quer o privilégio de vomitar seu ódio diante daquilo que acha que pode ameaçar seu controle sobre o povo.

E, ao final, alguém ainda tiraria uma selfie ao lado de seu corpo morto para postar no Instagram.

 

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar