DestaqueVariedades

A Grande Tribulação – Nova Oportunidade pela dor

Por algum tempo, alguns setores da espiritualidade entendiam que a grande tribulação havia começado, no início da Primeira Guerra Mundial. Acreditáva-se que Deus que tinha ‘abreviado’ aqueles dias, para que os ungidos que ainda estavam na Terra pudessem pregar as boas novas a todas as nações. Assim, pensavam que a grande tribulação tinha estas três partes: ela teria começado em 1914, teria sido interrompida durante a guerra, e acabaria no Armagedom. Mais tarde, o entendimento que uma parte da profecia de Jesus sobre os últimos dias tem dois cumprimentos. Um cumprimento foi no primeiro século, na região da Judeia. E nos nossos dias haveria um cumprimento bem maior, em toda a Terra. É necessário entender que a grande tribulação ainda está por vir porque as profecias bíblicas mostram que a grande tribulação começará com um ataque contra as religiões falsas, não com uma guerra entre nações. Na verdade, as guerras representam o começo das dores de aflição. As dores de aflição são parecidas às dores de aflição que aconteceram em Jerusalém e na região da Judeia do ano 33 até o ano 66.

Jesus predisse: “Quando avistardes a coisa repugnante que causa desolação, conforme falado por intermédio de Daniel, o profeta, estar em pé num lugar santo, então, os que estiverem na Judeia comecem a fugir para os montes.” O primeiro cumprimento foi no ano 66, quando o exército romano atacou Jerusalém e seu Templo. Esse exército era “a coisa repugnante” que estava “em pé num lugar santo”, ou seja, em um lugar que os judeus achavam que era santo. Essa profecia terá um cumprimento maior. A Organização das Nações Unidas é “a coisa repugnante” e a organização religiosa é um “lugar santo” para seus seguidores. As Nações Unidas vão atacar o mundo cristão e o resto de Babilônia, a Grande, ou seja, todas as religiões falsas no mundo. Isso também foi predito no apocalipse.  Esse ataque contra Babilônia, a Grande, será o começo da grande tribulação. Jesus também predisse: “Aqueles dias serão abreviados.” No primeiro cumprimento, os dias foram “abreviados” no ano 66, quando o exército romano parou seu ataque contra Jerusalém. Então, os cristãos ungidos que estavam em Jerusalém e na Judeia fugiram. Dessa forma, sua “carne”, ou vida, foi salva. Deus há de abreviar o ataque das Nações Unidas contra as religiões para que os fiéis Seguidores do Nazareno não sejam destruídos.

Haverá um espaço de tempo antes de começar o Armagedom. Jesus disse que vão acontecer várias coisas nesse intervalo. Depois virá o Armagedom. A guerra do Armagedom é o fim de todas as guerras, assim como a destruição de Jerusalém foi o fim do primeiro cumprimento da profecia.  O Armagedom como seu grande final, será um acontecimento como nenhum outro desde o princípio do mundo. Após o Armagedom, Jesus vai governar como Rei por mil anos.

Conclusão – No Armagedom, Deus provará que tem o direito de governar e que ele é o melhor governante que existe. Ele também vai santificar o Seu santo nome, ou seja, Ele vai defender Sua honra e reputação.

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar