DestaqueVariedades

Os Escribas e a Escrita – Os Pergaminhos e Livros Antigos

Foram escribas zelosos que fizeram o trabalho da crítica textual desde os templos de Esdras, de 400 a.C. até ano 950 a.C. Soferim = palavra hebraica. Eram escribas versados nas leis de Deus e nas tradições dos Judeus. Massoretas = Século mais tarde que os Soferim anos 500 d.C. a 950 d.C,, surgiu um outro grupo de homens preocupados com a crítica textual. Antes dos Massoretas, o hebraico era uma língua constituída apenas de consoantes e sem acentuação, o que a tornava difícil de ser falada, recitada ou contada, embora possível de ser lida.

Os escribas precisavam limpar suas canetas antes de escrever o nome de Deus, e banhar o corpo inteiro antes de escrever.com pena de ouro. Em vista deste cuidado extremo da parte dos judeus, para preservar perfeitamente as Escrituras Sagradas, pode-se ter plena confiança de que Deus tem guardado Sua Palavra durante os séculos desde 1500 a C. quando Moisés escreveu as primeiras páginas, até o último trabalho de João, o teólogo, cerca de 100 anos d.C.

As Escrituras do Velho Testamento foram primeiras escritas em hebraico, sendo tarde foram traduzidas para o grego, surgindo a versão mais antiga septuaginta ou versão dos setenta, em Alexandria, por um grupo de judeus eruditos no ano 285 a.C. Tábuas de madeira foram bastante usadas pelos antigos para escrever. Durante muitos séculos a madeira foi a superfície comum para escrever entre os gregos.

O Talmude judeu exigia especificamente que as escrituras fossem copiadas sobre peles de animais, sobre couro. É praticamente certo, então, que o A.T. foi escrito em couro. Eram feitos rolos, costurados junto às peles. Quando a Bíblia Cristã inteira foi completada pela primeira vez, constituía-se  de cópias hebraicas (idioma da nação hebraica), junto com a tradução grega da hebraica (septuaginta), e o grego original do Novo Testamento. Os homens que faziam esse trabalho chamavam-se escribas.

Antigos Manuscritos – EM 1844, o erudito bíblico Konstantin von Tischendorf visitou o mosteiro de Santa Catarina, no sopé do monte Sinai, Egito. Ao fazer pesquisas nas bibliotecas desse mosteiro, ele se deparou com alguns pergaminhos extraordinários. Como estudava paleografia,* Tischendorf os identificou como folhas da Septuaginta, uma tradução para o grego das Escrituras Hebraicas, ou Velho Testamento. Ele escreveu: “Nunca tinha visto algo que pudesse ser considerado mais antigo do que aquelas páginas encontradas no monte Sinai.” Aqueles pergaminhos faziam parte do que mais tarde ficou conhecido como Manuscrito Sinaítico e foram datados do quarto século a.C. O Sinaítico é apenas um dos milhares de manuscritos antigos das Escrituras Hebraicas e Gregas disponíveis para estudo dos eruditos.

Escribas em Israel – Moisés cresceu como membro da família de Faraó e de acordo com egiptólogos, a instrução que Moisés recebeu teria incluído dominar a escrita egípcia e pelo menos algumas das habilidades dos escribas. No seu livro Israel in Egypt (Israel no Egito), o professor James K. Hoffmeier diz: “Há razões para acreditar na tradição bíblica que atribui a Moisés a capacidade de registrar acontecimentos, compilar itinerários e executar outras funções de escriba.” Existem outros que exerciam o ofício de escriba e, de acordo com a The Cambridge History of the Bible (História da Bíblia, de Cambridge), Moisés “designou oficiais instruídos para registrar decisões e assuntos organizacionais.

 

 

 

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar