quarta-feira,
21/02/2024
Mais
    InícioDestaquePolícia isola Planalto para posse de Lula como novo Ministro

    Polícia isola Planalto para posse de Lula como novo Ministro

    Manifestações também foram registradas na noite de ontem em todo país

    Marcada para às 9 horas (horário de MS), a posse do ex-presidente Lula como novo Ministro da Casa Civil do governo Dilma Rousseff (PT) deve atrasar. Assim como ocorreu ontem à noite, manifestantes começam a chegar no Planalto e a Polícia Militar junto da segurança da Presidência já faz cordão de isolamento para evitar aproximação.

    Além dos manifestantes contra o governo, também estão no Planalto pessoas a favor de Lula e Dilma, em menor número. Segundo o G1, houve confusão entre os manifestantes, mas ainda não há informações de feridos.

    Ao lado do ex-presidente, também assumirão os novos ministros da Justiça, Eugênio Aragão, e da Aviação Civil, Mauro Lopes. Deslocado da Casa Civil para dar o cargo a Lula, Jaques Wagner passará a comandar, a partir desta terça, o novo ministério do Gabinete Pessoal do Presidente da República.

    O anúncio de que Lula assumiria a Casa Civil ocorreu nesta quarta (16), por meio de umcomunicado oficial divulgado pela Secretaria de Comunicação Social. Ao longo desta quarta e da última terça (15), Lula se reuniu com Dilma e ministros próximos aos dois, como Jaques Wagner e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), para discutir a decisão.

    GRAVAÇÕES

    A posse nesta quinta-feira ocorre um dia após o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância,retirar o sigilo sobre ligações do ex-presidente Lula interceptadas com autorização judicial.

    Em um desses telefonemas, Lula recebeu uma ligação da presidente Dilma na qual ela disse que enviará a ele o termo de posse para que ele só usasse “em caso de necessidade”. A divulgação da conversa intensificou os protestos no país que já vinham sendo marcados, desde terça-feira, contra a nomeação de Lula para a Casa Civil.

    Para a oposição, o diálogo derruba a versão da presidente Dilma de que Lula iria para o ministério com o objetivo de fortalecer o governo e ajudar na recomposição da base de apoio do Palácio do Planalto no Congresso. No entendimento de líderes oposicionistas, fica claro que Lula aceitou a nomeação a fim de ter foro privilegiado e passar a ser investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e não mais por Sérgio Moro.

    Os advogados do ex-presidente classificaram a divulgação da conversa de “arbitrariedade”. O governo, por meio de nota divulgada pela Secretaria de Comunicação Social, disse que o juiz violou a lei, além de fazer algo considerado pelo Planalto uma “afronta” aos direitos e garantias da Presidência da República e uma “flagrante violação da lei e da Constituição da República”.

    Lula vinha sofrendo pressão por parte de aliados para que assumisse um cargo no governo. Interlocutores dele e do governo avaliavam que, com o andamento das investigações da operação Lava Jato, ele passaria a ter o chamado foro privilegiado, podendo ser investigado e julgado somente pelo Supremo Tribunal Federal.

    Além disso, a avaliação de aliados era que, como ministro, Lula poderia atuar como um articulador político do Planalto, ajudando na interlocução com o Congresso Nacional, movimentos sociais e partidos, e na elaboração de propostas para o país superar a crise econômica. Essas pressões sobre ele se intensificaram nas últimas semanas, após a Polícia Federal deflagrar a 24ª fase da Operação Lava Jato, da qual Lula foi o alvo principal.

    No último dia 4, a PF cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do ex-presidente, na sede do Instituo Lula e levou o petista a prestar depoimento.

    Além disso, o Ministério Público de São Paulo pediu a prisão preventiva de Lula por suspeita de que ele omitiu às autoridades ser o proprietário de um sítio em Atibaia (SP) e de um apartamento triplex em Guarujá (SP), o que a defesa também nega.

    Mais Lidas