domingo,
25/02/2024
Mais
    InícioDestaqueExército Brasileiro – Braço Forte, Mão Amiga

    Exército Brasileiro – Braço Forte, Mão Amiga

    Senhor, umas casas existem, no vosso reino onde homens vivem em comum, comendo do mesmo alimento, dormindo em leitos iguais. De manhã, a um toque de corneta, se levantam para obedecer. De noite, a outro toque de corneta, se deitam obedecendo. Da vontade fizeram renúncia como da vida.

    Seu nome é sacrifício. Por ofício desprezam a morte e o sofrimento físico. Seus pecados mesmo são generosos, facilmente esplêndidos. A beleza de suas ações é tão grande que os poetas não se cansam de a celebrar. Quando eles passam juntos, fazendo barulho, os corações mais cansados sentem estremecer alguma coisa dentro de si. A gente conhece-os por militares…

    Corações mesquinhos lançam-lhes em rosto o pão que comem; como se os cobres do pré pudessem pagar a liberdade e a vida. Publicistas de vista curta acham-nos caros demais, como se alguma coisa houvesse mais cara que a servidão.

    Eles, porém, calados, continuam GUARDANDO a NAÇÃO do ESTRANGEIRO e de SI MESMA. Pelo preço de sua sujeição, eles compram a liberdade para todos e os defendem da invasão estranha e do jugo das paixões. Se a força das coisas os impede agora de fazer em rigor tudo isto, ALGUM DIA O FIZERAM, ALGUM DIA O FARÃO. E, desde hoje, é como se o fizessem.

    Porque, por definição, o homem da guerra é nobre. E quando ele se põe em marcha, à sua esquerda vai CORAGEM, e à sua direita a DISCIPLINA.

    O Exército Brasileiro está nas ruas. Mais uma vez, como em todos os momentos de crise, o Exército Brasileiro estende sua MÃO AMIGA à campanha contra o Aedes alertando os moradores sobre o risco da Dengue, febre Chikungunya e vírus Zika. Hoje, como ontem, patriotas fardados irmanam-se aos cidadãos de todos os quadrantes combatendo um bom combate (Timóteo 4,7). Mais uma vez, o poder público, que tanto vilipendia os homens de farda, só encontra uma saída nos momentos cruciais – convocar os quartéis. Abrimos tranquilos nossas portas a esta juventude sã que enverga orgulhosa sua imaculada farda e nos tratam com invulgar urbanidade. Como seria bom que todos os funcionários públicos adotassem esse mesmo tipo de conduta.

    Carta a El-Rei de Portugal, 1893 – (Moniz Barreto)

     

    (Hiram Reis e Silva, Porto Alegre, RS, 13 de fevereiro de 2016)

     

    Artigo anterior
    Próximo artigo

    Mais Lidas