CidadesDestaque

Epidemias de chikungunya e do zika são “questão de tempo”

Especialistas alertam para inúmeros casos no Brasil e sobre aumento de ocorrências em MS ser praticamente inevitável

“Não tem solução em curto prazo” e “é questão de tempo”, foram as duas frases usadas pelo infectologista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Mato Grosso do Sul, Rivaldo Venâncio, para comentar o avanço no número de casos de chikungunya e zika, aqui no Estado. Ele afirma que a situação é séria e mais preocupante porque as autoridades em saúde ainda estão aprendendo a lidar com essas duas doenças. Ele está na Bahia, estado que enfrenta epidemia das três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Até pouco tempo atrás, em Mato Grosso do Sul, o Aedes aegypti era conhecido apenas como “mosquito da dengue”; mas, agora, também o é da chikungunya e do zika. Ambos vírus graves, que provocam sequelas temporárias, no caso do primeiro, e até para o resto da vida, no caso do zika.

Somente em Mato Grosso do Sul, são 119 casos notificados de chikungunya e oito confirmados, desde janeiro. Quanto ao zika, não há nenhum caso confirmado, mas  há 113 sendo investigados. Em Campo Grande, são 34 notificações.

info-dengue

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar