Tribuna Livre

A Concepção Materialista da Vida

Por muito que possa entender-se paradoxal, o facto é que mais do que uma vez tivemos a oportunidade de nos referirmos a José Saramago como um místico materialista. Para quem tome esta classificação como um disparate, lembramos de memória uma entrevista deste Nobel da literatura, aquando da publicação do seu Evangelho Segundo Jesus Cristo. Disse ele que, visitando a Feira de Frankfurt, lhe pareceu ver num escaparate um livro precisamente com aquele título. Quando foi por ele, com a ideia de o folhear, ou comprar, já não estamos certos, constatou que afinal tal obra não existia. «Pois, se não existia, então eu tinha de a escrever», concluiu na referida entrevista. Coisa apenas insólita?

Então remetemos quem tenha interesse e oportunidade para a entrevista que Maria Leonor Nunes fez a Saramago (JL nº 994 de 5 @ 18 de Novembro de 2008), a propósito da publicação de A viagem do Elefante. Na referida, recordando os episódios do estado de coma por que passou, o escritor disse coisas assim: «… Durante um tempo, talvez umas horas, um dia ou dois, apresentou-se-me, por exemplo, uma imagem com um fundo negro e quatro pontos brancos formando um quadrilátero irregular (…) … Tive a certeza que esses pontos eram eu. (…) Não foi imaginação. Vi e soube que eu era aqueles quatro pontos. (…) … Não havia traços fisionómicos, apenas a consciência de que podia estar reduzido a esses quatro pontos. (…) … Uma espécie de total despersonalização. Eu tinha deixado de ser quem julgava que era, ao mesmo tempo que me reconhecia nesses quatro pontos (…). Estranho?

Quando se houve alguém afirmar: «só acredito no que vejo», logo surge quem pense estar na presença de um materialista. Não está. O materialismo é uma outra coisa e não será assim tão paradoxal encontrarmos místicos materialistas. 

Aquele que só acredita no que vê desmentir-se-á a si próprio se nos disser que a Terra anda à volta do Sol, porque o que ele vê é precisamente o contrário. Quem apenas acredita no imediatismo dos sentidos despreza a razão. Ora, o materialista caracteriza-se precisamente pelo uso da razão. Usa-a por vezes tão fortemente que ela toma contornos de divindade, a divindade suprema da religião chamada ciência. A divinização dos nossos entendimentos cega-nos de modo similar ao dos fanáticos de hoje e aos grandes conversores medievais, por mais que os sinais sejam contrários.

Por muito que a Ciência se proponha afastar a crença, há sempre um substrato de crença em toda a experimentação/comprovação. Quando falamos, por exemplo, de Big Bang — fenómeno que poderá ter acontecido, mas não tem irrefutável demonstração — não explicamos de modo científico a existência dos mundos e da vida, apenas imaginamos um princípio que a si próprio se desmente. Não se trata, como é óbvio, do grande início, porque se há explosão alguma coisa previamente existente explode, havendo por detrás da explosão um “bombista” que acende o rastilho.

Apesar disto que acabamos de dizer é bom ter em conta que as convicções e explanações dos materialistas são tão válidas quanto as de sinal contrário, porque pensadas, refletidas e interrogadoras da verdade, desiderato que não se pode atribuir a quem se limita a crer, porque assim o ensinaram de menino, nem muito menos às fantasias dos criacionistas, obcecados e cegos, que pretendem submeter a realidade às suas crenças empedernidas, esgrimidas sempre «com a palavra de Deus» na mão. Os materialistas sabem que a matéria é eterna — e nisso concordam com os espiritualistas — e acreditam na antimatéria, presumidamente do mesmo jeito eterna. Não podem é admitir que haja outras coisas igualmente eternas, que afinal até não são coisas e por isso não podem ser analisadas, retalhadas, criogenizadas, etc.

Eles não se importariam que Deus existisse, desde que fosse rã e pudesse ser dissecado. Vida para além da morte? Nem pensar! Afinal, tudo se resolve com três badaladas e um balde de cal.

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Fechar
Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar