DestaqueNotíciasPolicialPolítica

Londres pede a Trump que permaneça no acordo nuclear com Irã

O Reino Unido pediu a Donald Trump que não renuncie ao acordo nuclear iraniano, poucos dias antes de o presidente americano anunciar sua decisão sobre o tema, destacando que o acordo não é perfeito, mas que não existe alternativa melhor.

Em declarações ao canal Fox News antes de seu encontro com altos funcionários do governo americano, o ministro britânico das Relações Exteriores, Boris Johnson, disse que Trump tem “razão em ver defeitos” no acordo, mas acrescentou: “O plano B não me parece particularmente bem desenvolvido neste cenário”.

“O presidente tem um ponto legítimo (…), estabeleceu um desafio para o mundo”, completou.

“Acreditamos que é possível ser mais duro com o Irã e abordar as preocupações do presidente Trump sem desfazer o acordo”.

Antes da entrevista na Fox News, Johnson havia antecipada sua postura em um artigo de opinião publicado nesta segunda-feira pelo jornal “The New York Times”, no qual afirma que, “neste momento delicado, seria um erro se afastar do acordo nuclear e suspender as restrições, às quais o Irã está submetido”.

Os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) receberam poderes adicionais para controlar as instalações nucleares iranianas, “aumentando a possibilidade de detecção de qualquer tentativa de fabricar uma arma”, argumentou Johnson no jornal.

“Agora que essas amarras estão colocadas, não considero necessário colocá-las de lado. Apenas o Irã se beneficiaria, renunciando a essas restrições sobre seu programa nuclear”, escreveu.

“Acho que preservar as restrições do acordo sobre o programa nuclear iraniano também permitirá compensar a atitude agressiva de Teerã na região. Estou convencido disso: qualquer alternativa possível é pior. A melhor linha a seguir seria melhorar as amarras antes de rompê-las”, defendeu.

O acordo nuclear iraniano foi firmado em julho de 2015 entre Teerã, por um lado, e China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e Alemanha, por outro.

Nesse texto, a República Islâmica declara que não busca se dotar de armas atômicas e aceita restringir seu programa nuclear para dar ao mundo a garantia de que suas atividades no setor não têm ambições militares.

Em troca, Teerã obteve o fim progressivo das sanções internacionais impostas por seu programa.

Trump denunciou o acordo e deu até 12 de maio aos países europeus para endurecer o texto. Se não fizerem isso, os EUA deixarão o pacto.

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close